ProUni: escolas discutem a discriminação

Leonardo Soares/AE

Racismo contra bolsista da PUC motivou a criação de um fórum; faculdades debatem a questão

Publicado no Estadão | Mariana Lenharo – Jornal da Tarde

Semanas depois de vir à tona o caso de discriminação contra a aluna do ProUni Meire Rose Morais, que cursa o último ano de Direito na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), representantes da Faculdade de Direito da instituição resolveram criar um Fórum Permanente de  Inclusão Social e Ações Afirmativas, inaugurado anteontem. Outras universidades já têm ações que seguem na mesma direção, como a São Judas, que criou, neste  semestre, um Núcleo de Atenção à Discriminação e Intolerância.

Alunos participam de ato de repúdio ao racismo na PUC, motivado pelo caso da estudante Meire Morais

O fórum da PUC foi organizado pelos professores e desembargadores Consuelo Yoshida e Antonio Carlos Malheiros, titular da área de Direitos Humanos e  coordenador da comissão responsável pela apuração do caso de discriminação contra Meire. Malheiros adiantou que a ideia do movimento não é punir, mas ter um  caráter pedagógico, “de maneira que possamos nos tornar mais tolerantes e receptivos a todas as ideias, e aceitarmos as diferenças”.

De acordo com Consuelo, o objetivo do fórum é a ampliação do envolvimento do corpo docente e discente, visando a prevenção da discriminação de qualquer  natureza na universidade. O diretor da Faculdade de Direito, Marcelo Gomes Sodré, anunciou que vai criar mecanismos para que os alunos do ProUni passem a ter  um acompanhamento mais detalhado. “Historicamente detectamos poucos problemas, mas temos de confessar que, talvez, a gente não tenha se debruçado como  deveria com relação ao acompanhamento desses alunos”.

Veja também:

‘Quem sofre discriminação não tem coragem de dizer que sofreu’

Estudantes bolsistas presentes na inauguração do fórum mostraram-se receosos de que a atitude da PUC fosse apenas uma “resposta à mídia”. “O que a gente  percebe é que os fatos não são isolados. O que se torna isolado é uma voz ser realmente ouvida”, diz a doutoranda da área de Linguística Aplicada da PUC,  Carla Messias.

Na Universidade São Judas, o Núcleo de Atenção à Discriminação e Intolerância foi criado neste semestre durante um simpósio sobre o holocausto.  “Trouxemos sobreviventes do holocausto para mostrar para os alunos até onde pode chegar a intolerância”, conta o diretor de extensão Fernando Duch. “O  objetivo dessas ações é fazer com que percebam a importância de valorizar as diferenças”.

No caso do Mackenzie, há comissões que se reúnem para acompanhar os bolsistas. “Felizmente, até hoje, não houve reclamação no sentido de manifestar  descontentamento quanto a tratamentos desiguais”, afirma o professor Ademar Pereira, decano da instituição.

A primeira ação do fórum da PUC será incluir debates sobre o preconceito na semana de recepção aos calouros no próximo ano. Os próprios  bolsistas, contudo, podem não chegar à universidade a tempo de participar dos eventos, pois os atrasos na seleção desses alunos, por parte do MEC, faz com  que iniciem as aulas depois do restante da classe.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s